terça-feira, 28 de junho de 2011

Som De Liberdade


Esse som que chega aos meus ouvidos
Tem o sabor da mais pura natureza
E em cada um deles eu descubro indícios
Da mais simples a mais sofisticada beleza

Os pássaros com esses gorjeios melodiosos
Muitas vezes tão diferentes entre si
Mas todos eles têm acordes tão maravilhosos
Que é o som da liberdade que existe aqui

Todos são livres em seus vôos tão precisos
E os sons que ouço não me deixa duvidar
Nenhum som ecoa triste ou mesmo fingido
Pois eles têm a liberdade e a podem desfrutar

Ao Vento


Eu sempre achei muito fácil escrever
Era só mergulhar nas lembranças pra começar
Mas hoje eu vejo que não basta só eu querer
É que a minha mente só tem feito me atraiçoar

A minha mente criava e eu só fazia escrever
Pois a minha imaginação nunca tinha limites
Para tudo fluir, era só ficar pensando em você
Já que a minha mente de criar nunca desiste

Porém hoje... Sempre que minha mente vai fluindo
Me desespero se não tiver papel e lápis à mão
Já que minha mente cria e logo as vai destruindo
Tentando apagar a minha fonte de inspiração

E o que tem me deixado bem mais triste
É saber que a culpa é sempre do tempo
Que em querer me limitar, ainda insiste
Destroçando as minhas lembranças ao vento

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Por Lhe Querer


Minha alma grita de saudades
E meu peito explode de amor
Mas o tempo com a sua maldade
Me desespera em meio a tanta dor

Na caminhada tenho os pés feridos
Pelos longos e pontiagudos espinhos
Meus sonhos,sempre distantes ou perdidos
Pelos tropeços encontrados em meu caminho

E nada do que almejo vejo acontecer
E mesmo assim com intensidade vivo a desejar
Porém eu sei que não basta apenas querer
Para eu ver o meu sonho um dia se realizar

E enquanto meu sonho maior não acontece
Sofro a sua ausência mesmo sem você saber
Pois eu sinto que só quem ama, chora e padece
Como o tenho feito simplesmente por lhe querer

domingo, 26 de junho de 2011

Gélido Abraço



Voltei após um período longo de cansaços
De intermináveis dias e noites também
Me acompanha como morte,um gélido abraço
E a frieza de um mundo que vai mais além

Em sonhos sempre persegui a felicidade
Mas esta sempre arredia fugia de mim
O tempo passou... E constatei que a idade
Nunca seria um começo para qualquer fim

Quanta vezes pensei não conseguir ir mais além
Já que o tempo cruel me trouxe miseráveis amarras
Para mim,não havia mais jovialidade nem saúde também
E mesmo assim aceitei do destino as afiadas garras

E perdida entre os percalços e tombos da vida
Ansiando conseguir do tempo um pouco mais de tempo
Pois quando chegar o abraço gélido da morte atrevida
Quero sentir teu afago nas folhas mortas ao vento

Eu Ainda Desfaço


A minha alegria um dia se perdeu de mim
E assim vejo meus sonhos ruírem um por um
Talvez por isso eu ache viver tão ruim
Mas seria pior continuar sem sonhos nenhum

Hoje minha felicidade dorme longe dos meus braços
E eu nada fiz para que isso acontecesse assim
E por mais que eu viva a correr no seu encalço
Vejo que continuas cada vez mais longe de mim

Também sei que meu amor sente prazer fora de mim
E não sei o que fazer para mudar esse quadro
Mesmo sabendo que as coisas têm que ser assim
Eu sinto que um dia tudo isso eu ainda desfaço

E nessa madrugada chove muito lá fora
E o meu coração palpita e soluça de dor
E eu o queria aqui para me aquecer, embora
O que eu quero mesmo é reviver esse amor

Ninguém Entende


Não posso deixar meu o sentimento morrer
Mesmo que o tempo insista em faze-lo minguar
Mas eu sei que sempre que eu pensar em você
O meu amor como sempre... A crescer voltará

E dele morrer um dia eu jamais terei medo
Pois isto é algo que nunca irá acontecer
E pelo que sinto eu até muito me atrevo
Que é este amor que eu sinto por você

E não me importa o tempo que venha a passar
Pois a saudade manterá vivo esse amor
Eu sinto que esse sentimento nunca vai acabar
Mesmo que para mim, ele hoje só represente dor

Eu sei que ninguém entende o meu dilema
Por nada, desse amor posso me queixar
Ainda mais que eu tenho comigo como lema
A certeza que você não deixou de me amar

Nada Vejo Acontecer


Eu sei que não mais terei assim tanto tempo
Pra continuar esperando no silêncio por você
Já que a minha vida se esvai nos meus pensamentos
E nada de diferente na minha vida vejo acontecer

A monotonia dos meus dias que se arrastam
Insiste em querer me fazer a todo custo entender
Que todas as dores que por minha alma perpassam
Só faz crescer essa minha obsessão por você

Meu pensamento sempre lhe busca sem cessar
Nunca importando os desgostos que me possam trazer
Pois esse meu desejo tão insano de lhe encontrar
Deixa claro que de tudo o mais importante é você

E esse mesmo tempo que me parece cada vez menor
Nunca compreendeu o triste dilema em que vivo
Mas eu sei que nessa vida, para mim, o melhor
É lhe buscar em pensamento, por isso nunca desisto

Quantas vezes


Quantas vezes eu finjo ter esquecido
As muitas afrontas dirigidas contra mim
Porém mais forte é o sentimento inserido
Que na alma, principia ser isto o fim

Nas longas e tediosas noites que chegam
Sinto-me abraçada pela triste saudade
Mas meu corpo e minha mente ainda desejam
Ter a vivacidade da minha perdida mocidade

As vezes até imagino ser tudo um sonho
Que ao acordar tudo terá finalmente acabado
Porém mais um desgosto profundo e medonho
Me mostra que esse desejo me continua negado

Quantas vezes sinto as lágrimas caindo
Lavando a minha alma tão entristecida
E nas brumas da solidão vou sucumbindo
Pois sei que minha existência está perdida

domingo, 19 de junho de 2011

Ainda Te Amo


Eu vou contar um grande segredo
Que vive a perturbar os dias meus
É algo que as vezes até me dá medo
Mas sinto ser este segredo também seu

Não importa o dia nem tão pouco a hora
Que este desejo sutilmente se faz sentir
Como está acontecendo exatamente agora
Essa grande loucura que vive a me afligir

As vezes até penso estar enlouquecendo
Já que não me sais da cabeça, também
E eu sei que muito estás me querendo
E isso é algo que já não negas meu bem

Porém o que me deixa assim... Tão louca
É viver sonhando com cada momento só nosso
Sem contar as vezes que teu nome me vem à boca
Mas hoje...Nem mesmo murmurar teu nome eu posso

E vou amargando assim essa minha loucura
Que me faz tropeçar a cada passo que dou
Mas continuo a afogar-me nas minhas amarguras
Somente sonhando com as lembranças desse amor

E sem que eu venha a sentir ter um outro jeito
Pela vida afora vou guardando esse meu arcano
Que eu preciso sufocar dentro do meu peito
Já que vivo a esconder de todos que ainda te amo

Kellinha


Quanta simplicidade extravasa de ti
Fazendo um dueto perfeito com a tua beleza
As vezes me parece que guardas para si
Os muitos sentimentos de pura grandeza

Mas eu sei que talvez nem fosses tão bela
Se a humildade não fosse tua parceira
Olhando tua foto, mas me parece uma aquarela
Dessas que se guarda para a vida inteira

Mas quando a natureza lhe criou
Buscou para ti os maiores e belos sentimentos
E Deus em sua infinita bondade lhe homenageou
Fazendo de ti um grandioso instrumento

E nesse sorriso tão lindo que se espelha aqui
Traduz para mim uma perfeita sintonia
E eu queria que houvesse para o bem de ti
O mesmo grau para a tua sabedoria

Cuidemos pois em orar um pouco mais
Para que Deus complete tão belo quadro
Pois assim continuará esse sorriso de paz
Que enriquece essa beleza que até hoje guardo

Morrer


A felicidade está tão longe de mim
E por mais que eu tente, não a consigo buscar
Talvez seja isso. o que me espera enfim
Viver de sonhos e nunca os poder realizar

Tantas vezes sonhei que estavas chegando
Louco de saudades e cheio de amor
Mas eu sempre terminava chorando
Mergulhada na minha solitária dor

Eu sei que em pensamento me buscavas
E que a minha ausência te fazia sofrer
Mas enquanto eu, de saudades chorava
Tu tentavas desesperadamente me esquecer

Mas o tempo tem me mostrado ser em vão
E nunca conseguiremos das lembranças nos desfazer
Esse amor está gravado a fogo em cada coração
Tudo o que nessa história aconteceu sem eu querer

Mas eu sei que ainda verei chegar o dia
Que finalmente o trará de volta para mim
E será nesse dia de grande e infinita alegria
Que meu sofrimento chegará ao fim

E poderei então tranquila descansar
E até partir se assim tiver que acontecer
Mas antes o terei novamente para amar
E quem sabe em teus braços tranquila morrer

terça-feira, 14 de junho de 2011

Nesses Dias


Há dias que tenho me sentido assim...
Corpo cansado, mente vazia
Como se tudo estivesse no fim
No abandono das minhas noites de agonia

Há dias que tenho me sentido assim...
Inerte... E sem vontade de querer salvar
Um pouco do tudo que a vida tirou de mim
E que eu nunca consegui reconquistar

Houve dias em que meu falso sorriso se perdeu
E foi em vão que eu o tentei recuperar
Mesmo assim eu sentia que o melhor nunca morreu
Já que em minha eu sempre estive a lhe buscar

E são nesses dias, quase sempre tão sem cor
Que o meu viver padece a tua ausência
Pois eu sinto a falta desse insólito amor
Do qual o tempo ladrão não teve clemência

Confesso...Hoje realmente é um dia assim...
Onde a tua falta mais forte se prenuncia
E eu sinto que vou a cada dia, morrendo enfim
E a cada dia se esvai o que restou de alegria

E eu sei que nada vai acontecer que possa mudar
O que a cada dia eu vivo como louca a perseguir
E eu sei está nesse meu desejo que me faz sonhar
De viver contigo o tudo que um dia me fizeste sentir

O Tempo Não Encontrará


Eu hoje irei brindar com a mãe natureza
A alegria de ainda poder sentir-me viva
Saborear as iguarias que tiver sobre a mesa
Sentindo sobre a pele a sensualidade da brisa

Meu corpo estremece com o deslizar da mão
Que me provoca os sentidos sem nenhum pudor
Sinto o pulsar festivo do meu ansioso coração
Se preparando para nossos momentos de amor

Os murmúrios que impregnam meus ouvidos
Conseguem sem pressa em êxtase me deixar
E sinto que nada então nos será proibido
Prevalecendo o nosso forte desejo de amar

Enlaço o teu pescoço com uma certa ousadia
Sempre buscando teus desejos mais inflamar
E sinto teu corpo respondendo com alegria
Pois é chegado o esperado momento de nos amar

E me entrego de forma total e quase louca
Sem receios dessa tua forma de me tocar
E é com sofreguidão que beijas a mina boca
E meu corpo ansioso sente tua rigidez aflorar

E entre beijos e carícias nos entregamos
De forma suprema e também sem igual
E sinto-me quase morrer quando nos beijamos
E um grito de amor saciado chega a ser triunfal

E esse grito que parece ecoar dentro da fria madrugada
É apenas mais um doloroso lamento que se faz ouvir
Não foi o grito de um amor saciado,Foi do tudo o nada
Pois não era essa a sensação inebriante que julguei sentir

Esse som que pôs em polvorosa todos os meus sentidos
Me fez finalmente aos poucos com tristeza acordar
E aquele grito de prazer que pensei de mim ter saído
Foi o que fez eu finalmente do meu sonho acordar

E mais uma vez vejo que tenho me tornado uma presa
Desses meus sonhos sensuais e também enlouquecedor
Mas eu sei que essa chama do desejo manterei acesa
Só esperando o dia da realização desse louco amor

E quando esse dia finalmente chegar estarei desperta
Para cada momento nosso com lascívia desfrutar
E com certeza o tempo não encontrará nenhuma fresta
Para impedir a comunhão dos nossos corpos se realizar

Se Eu Não Tivesse


Eis que mais uma vez estou a pensar
Em toda emoção que vivesses comigo
Mas com amargura vejo o tempo passar
E os meus dias continuam entristecidos

Amar-te, foi algo que quando aconteceu
Deu-me forças para tudo, mesmo sem eu entender
Mas quando lhe perdi,em mim tudo aos poucos morreu
E até hoje eu vivo esperando ter de volta você

Já tentei de várias formas de tudo isso me livrar
Mas tem sido impossível desse tempo eu esquecer
Porém eu sei que tudo isso só vem me mostrar
Que nunca consegui tirar da minha vida, você

E assim vou prosseguindo a minha jornada
Não importando o cansaço que tende a me aborrecer
Pois eu sei que a minha vida estaria de tudo acabada
Se eu não tivesse a esperança de ter de volta você

Pérfido Tempo


Olhar parado num sombrio horizonte
Mente a vagar um tanto dispersa
Confundindo as lembranças do meu ontem
Mas desse desvairo não há nada que impeça

E assim luto em silêncio sem de nada me queixar
E até os meus fantasmas parecem nada perceber
No peito sufoco um grito calado que não quer calar
É tão somente o meu desesperado apelo por você

Mas eu bem sei que já não me ouves mais
O pérfido tempo há muito o afastou de mim
Mas eu também sei que nada será capaz
De por num grande amor como esse um fim

E mesmo nessa constante e miserável agonia
Ainda buscarei no tempo uma saída qualquer
Que possa trazer-me de volta essa alegria
Que sempre senti,quando me fazias sua mulher

terça-feira, 7 de junho de 2011

Mais Um Desabafo


Ultimamente tenho andado muito desestimulada
E até mesmo o prazer vive de mim a correr
Já perdi as esperanças de ver minha vida mudada
Mas o meu maior sonho continua sendo você

E acreditem, a minha rotina quase sempre é quebrada
Por algo muitas vezes triste ou constrangedor
Pela vida já fui muitas vezes injustiçada e humilhada
Mas eu tudo superaria se ainda fosse meu o seu amor

E nas incontáveis horas de sofrido abandono
Sempre deixei que as lágrimas falassem por mim
E foram tantas as vezes que terminei num agitado sono
Sofrendo o desengano de nunca por em tudo isso um fim

Lamentar bem sei que nunca me ajudará em nada
Mas na verdade isso é mais um dos meus desabafos
Mas é que minha alma sempre permanece calada
Pois teme que eu seja vítima de mais desagravos

E não sei até quando nessa dor permanecerei
Sei apenas que em muitas vezes ainda irei sofrer
E sinto também que dessa vida eu não me despedirei
Enquanto eu não tiver outra vez em meus braços você

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Sou

Sou um resto de perdidas esperanças
Um sonho morto que na verdade nunca morreu
Sou a saudade das tuas intermináveis lembranças
Sou o grito sufocado do tudo que no tempo se perdeu

Sou da liberdade essa ânsia incontida
E o apelo da tua consciência, hoje adormecida
Sou a insânia dos teus sentimentos desvairados
Sou o que ficou das nossas ilusões quase perfeitas
Sou na verdade o tudo do que nunca foi acabado

Sou a sombra desse passado sempre tão presente
E a tua insônia como sempre... Indiferente
Sou o teu sorriso amargurado e nunca desfeito
Sou a tua solidão disfarçada e persistente
E as sobras desse amor quase perfeito
Ainda sou as cinzas daquela paixão ardente

Sou o som do mar revolto que em tua vida
Persiste após os longos e nunca esquecidos anos
Sou o roçar da sensual e atrevida brisa marinha
Que nas lembranças ao teu lado ainda caminha
Também sou aquele toque que nas tuas noites,em arcano
Numa cruel ausência tanto te atormentou...
Sou o que ainda falta na tu vida
Sou aquela a quem outrora chamaste de meu amor

Sou o vestígio do tudo que em tua alma ficou
Sou o teu sorriso colorido que no tempo se apagou
Sou bem mais... Sou o encanto que na tua vida se formou
Sou o quase tudo que teu coração sempre sonhou e desejou
Eu sou na verdade o que nunca deixei de ser
Sou aquela que marcaste como teu primeiro amor
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios