quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Uma Perfeita União

Ao Casal:
José jota de Souza (in memorian)
Lígia Leandro de Barros


Foram quarenta e cinco anos de convivência
De uma história que eu irei resumir assim
Quarenta anos onde prevaleceu a sapiência
E cinco anos de um amor perfeito, sem fim

Foram quatro décadas numa inusitada situação
Que a força desse amor apenas demonstrava
Que nada conseguiria destruir essa união
Nem desvirtuar a nobreza que ali habitava

Após quarenta anos dessa união em separado
A filha Maria José decide casar eles dois
Não havia razão para esse amor não ser abençoado
Não fazia mais sentido deixar nada para depois

E assim uma linda união tímida de quarenta anos
Que sempre fora perfeita mesmo em tetos separados
Onde só aos dois e mais ninguém pertencia os arcanos
Que se projetou em leitos mesmo não sendo conjugados

E após a celebração dessa união já tão perfeita
O destino deles que por Deus sempre foi abençoado
Colocou-os desta vez e sem nenhuma desfeita
Juntos numa mesma casa como os filhos haviam desejado

E foram os cinco anos mais lindos de suas vidas
Numa sequência de momentos ternos e felizes
Onde o amor prevaleceu sempre e de forma merecida
Para essa linda caminhada onde o amor sempre persiste

E foi tudo perfeito, até mesmo no último momento
Quando Deus decidiu que finalmente era chegada a hora
E foi então no instante de grande aperfeiçoamento
Que para a Lígia sua vida não seria mais como outrora

Pois agora para ela só as lembranças restavam
E foi quando a Lígia pode finalmente perceber
Que os últimos cinco anos vividos apenas falavam
De um grande amor que eles sempre conseguiram viver

Foi quase meio século de imensa felicidades
Pois mesmo separados estavam sempre juntos
Os filhos sempre compreenderam essa verdade
Naquele amor vivido de modo tão profundo

Hoje, para a Lígia nada desfaz as lembranças
Desse amor tão perfeito e sem brevidades
E foi nesse amor que se guardou as esperanças
E todos os muitos sonhos de uma mocidade

Na velhice repousou a ternura e a meiguice
E os encantos que juntos conseguiram construir
Se houve entre eles momentos de criancice
Aquela união, com sabedoria conseguiu destruir

Para José Jota e Lígia foi uma vida de dedicação
Que juntos puderam num grande amor desfrutar
Para eles foi com certeza a mais perfeita união
Que na lembrança todos também irão guardar

A saudade de José Jota vez por outra a assalta
Mas a Lígia aprendeu como pode contornar
Pois para acalentar a grande dor dessa falta
Aos filhos, netos e bisnetos ela vive para amar

Um Bom Companheiro


Ao Amigo Simião Paulino

As vezes fico observando as pessoas
E quase sempre há quem me chame a atenção
São pessoas que com simplicidade, numa boa
Vai conquistando aos poucos a nossa admiração

Eu hoje escrevo em especial a um alguém
Que com seu jeito transparente demonstrou
Ter um semblante muito calmo também
E em conversa descobri ser ele bom observador

No olhar as vezes nem sempre risonho demonstra
Preocupações, curiosidades e ansiedades também
E é em meio a tudo isso que a gente encontra
Um companheirismo que entre nós pouco se tem

É assim que vejo o nosso querido colega,o Simião
Um bom companheiro de aprendizado e fortes ideais
E tem sido até muito fácil manter com ele essa união
Que tanto se faz necessário em ocasiões especiais

Em Simião se percebe um espírito bastante lutador
Pois isto ele sempre deixa para nós transparecer
Nos mostrando que sentir-se afinal um vencedor
Vai muito além do que apenas a gente querer

Pois é preciso lutar para um dia conquistar
E se faz necessário conquistar para ser merecedor
E mesmo entre nós ele não ser de muito falar
Deixa vir à tona um espirito lutador e vencedor

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Desamor



Foram talvez
Centenas de vezes que eu
Debrucei sobre o parapeito da vida
A contemplar
Os cacos da minha dignidade
Criando poeira sobre o tempo

São anos dormindo ao relento
Do meu amor próprio,
Onde por inúmeras vezes
Deixei as lágrimas correrem livres
Tentando lavar a minha alma
Numa infrutífera tentativa
De não me deixar perder
Nos obscuros e frios caminhos
Do desamor.

Tentei povoar meus sonhos
Já desfeitos na amplidão
Dos meus sentimentos feridos...
Tentei entender que é preciso lutar
Para não sucumbir...
Mas a vida esqueceu
De me entregar as armas...
E foram inúmeras vezes que descobri
Que algumas pessoas
Se tornaram como espelhos quebrados,
Onde nunca mais conseguirão
Ter a imagem limpa, sem distorção

Pela vida à fora encontrei mitos
Que amei, transformando-os em deuses
Mas todos eram de barro
E se despedaçaram ao cair do pedestal.
E em meio aos escombros
Percebi que havia um semideus
Que nada poderia destruir
E este era você...
O maior de tudo na minha vida
O único algo que apesar de tudo
Nunca me deixou morrer
Pois sempre encontrei vida
Nas tuas lembranças...

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Estranha Ligação


Fora uma ligação estranha,
Onde uma voz sussurrava assim...

"Não quero morrer agora
Tenho muitas coisas para fazer
Se tiver chegado a minha hora
Antes que aconteça, preciso lhe ver..."

Aquela voz desesperada
Não me dava tempo para explicar
Que ela fizera a ligação errada
Mas ela não conseguia calar

E continuou...

"Eu sinto saudades da minha infância
Onde eu não sabia o que era esperanças
A diversão era o que tinha importância
Pois eu era feliz apenas por ser criança...

E hoje, além de saudosa, me sinto tristonha
É algo que me deixa realmente muito ruim
Uma sensação de vazio tão medonha
Que penso estar chegando o meu fim

E um medo estranho me aterroriza
E já nem estou conseguindo raciocinar
Sinto que a minha vida mansamente desliza
E por entre meus dedos a sinto escapar

E eu não posso morrer agora
Não sem antes, mais uma vez lhe ver
Mas se não der tempo, nessa última hora
Me sinta... Pois estarei abraçando você...

Então a ligação cai, e um eco entristecido
Me dá desejos de retornar a ligação
Tento ver o número, mas está inibido
O que me impede de levar alento aquele coração

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Entre Nós


Por cada um desses momentos citado
Uma agradável sensação a me percorrer
Pois cada um dos episódios lembrado
Põe mais uma vez diante de mim, você

Foram tantos desencontros entre nós
Mas o encanto dessa história perdurou
E eu sei que sempre que estás a sós
Passa pela sua mente o que para trás ficou

Na adolescência fui um mundo de sonhos
E por muito tempo para você assim permaneceu
Sei que houve também momentos tristonhos
Mas nem assim o seu amor por mim arrefeceu

Mas quis o destino a nossa vida mudar
E foi entre nuvens que você desapareceu
Mas sei que nunca deixasses de me amar
Pois sabes que o melhor entre nós aconteceu

Uma História De Amor


De repente... E foi bem de repente
Que a minha vida se transformou
Pois em meio a toda aquela gente
Apenas você é que não me notou

A noite se arrastou com tristeza
E você parecia nem me notar
Aí então eu pude ter a certeza
Que ao fim da festa eu iria chorar

E quieta permaneci no canto do salão
Tentando fazê-lo me perceber com o olhar
Eu parecia ouvir as batidas do meu coração
E os meus olhos ardiam querendo chorar

O baile terminou, em silêncio me afastei
E lá fora uma garoa fina me abraçou
E foi então que eu quase desmaiei
Pois nesse momento você comigo falou

E feliz eu ouvi você me dizer
Que havia me olhado a noite inteira
Eu fiquei surpresa, não consegui perceber
Mergulhada como estava na minha cegueira

Então senti seu braço com suavidade me tocando
E num relance vi o que estava para acontecer
Perplexa pude sentir seus lábios me beijando
E naquele momento nada mais havia, só eu e você

Foi aí que o meu primeiro beijo aconteceu
Perdi-me nesse mundo quase que embriagador
E assim o destino com amor e harmonia teceu
Entre nós a mais linda história de amor


Deixei De Ser Criança


Houve uma época que eu me vestia de cores
Vivendo feliz com as minhas fantasias
Da vida experimentava os mais puros sabores
E as mais fantásticas das primárias alegrias

Mas o tempo foi então passando
E então eu vi o inevitável acontecer
Eu me descobri na vida pensando
E o meu dia a dia mudou, pude ver

Eu comecei a ter atitudes diferentes
Tudo me parecia sério ou intrigante
Já não havia espaço para ser negligente
Esse mundo eu logo achei desconfortante

Aos poucos conheci a palavra dificuldade
Confiança logo me ensinaram o que era
E estranhamente percebi que esta realidade
Estava ligada ao aumento das minhas primaveras

Então era isso... Eu havia deixado de ser criança
E novas atitudes eu tinha então que aprender
Precisava demonstrar um pouco mais de confiança
Pois agora eu teria uma nova forma para viver

Esse Meu Mundo


Esse meu mundo de fantasias
Que pela minha solidão foi criado
Nem sempre me traz alegrias
Mas serve para o que foi destinado

E esse meu mundo, nem sempre de encantos
Que se traduz em amor e bem mais ilusões
Muitas vezes serve para esconder meus prantos
E sufocar na realidades as minhas emoções

Essa minha criação, tão minha e tão singular
Que preenche de sonhos a minha dura realidade
Tem me ensinado que mais importante que amar
É poder esconder todas as minhas verdades

E nesse tão louco e paradoxal mundo
Trago para a minha vida uma outra realidade
Pois eu vivo de um modo muito profundo
Tudo aquilo que dista das minhas verdades

Bendito seja esse meu mundo de sonhos e ilusões
Que criei apenas para o meu alento e prazer
É um mundo repleto de vívidas sensações
Que um dia eu pude viver só com você...

Relâmpagos E Trovões


Certa vez você me falou
Que o maior presente da sua vida
Seria poder sentir o meu amor
E nunca me ver por isso arrependida

Poder gritar para o mundo e bem alto
Que o maior prêmio que a vida lhe deu
Seria o que você tanto havia desejado
O meu amor... e completamente seu

E durante algum tempo foi assim
Até que um dia você descobriu
Que o que havias visto em mim
Não era na verdade o que você sentiu

E assim esse grande amor acabou
E com ele os sonhos e as ilusões
O seu castelo era de areia, desmoronou
Ficou as ruínas em meio aos relâmpagos e trovões

A tempestade desabou de forma impiedosa
A mim foi reservado a amargura e a dor
Você se foi deixando uma invernada rigorosa
Numa alma tão sofrida e carente do seu amor

Exemplo De Mulher


À Minha Mãe Loloy

Eu hoje me senti muito sozinha
E por mais que eu tentasse não conseguia ver
Algo que pudesse de tudo aquilo me livrar
Ou mesmo que me fizesse de tudo esquecer
Mas minhas tentativas eram em vão
Nada surgia para acalmar meu coração
Aumentando ainda mais a minha aflição
Pois nada eu conseguia resolver...

Mas de repente sem que eu esperasse
Aconteceu algo que fez tudo mudar
E eu que já estava de tudo descrente
Pude ver quase sem acreditar
Chegar a minha mãe, que com suas palavras
Foi trazendo alento a quem não tinha nada
E ela apesar de tão sofrida e marcada
Fez meu tenebroso mundo clarear

Agora, que sinto a alma bem mais tranquila
Fico pensando em Loloy e sua vida sofrida
Que desde criança a ela nunca coube nenhum direito
E até hoje não me parece de nada arrependida
Um exemplo perfeito de mulher que perdida em sua dor
Vem resistindo no tempo a tudo, com e por amor
E ainda consegue exalar na suavidade dessa flor
Tanto amor, mesmo quando é por muitos esquecida

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Nenhum Sentido


Quão impetuoso tem sido o destino
Que sem tréguas a minha porta vem bater
E por mais que eu tente, não imagino
O que de mim a vida está a querer

Se vivo de tudo afastada é por opção
Não querendo mesmo a ninguém machucar
E não vejo nenhum sentido ou razão
Para expor meus sentimentos ou me magoar

Que me deixem por favor bem quieta
Não queiram o meu mundo invadir
Já tive a alma um dia muito irrequieta
E hoje não aceito que a queiram ferir

Portanto se afastem de mim eu peço
Pois creio que nada de bom têm para mim
Nada de vocês eu quero, nem os invejo
Deixem tudo como está, é melhor assim

Não queiram perturbar os meus fantasmas
Deixe-os dormindo como eles ainda estão
Pois só a nós, ficaram as horas amargas
E as grandes mágoas que povoam meu coração

Nossas Almas


Até hoje não consigo entender
O que de fato nos aconteceu
Se foi eu que perdi você
Ou se foi você que me perdeu

Nas lembranças as vezes percebo
Fatos que muito me magoaram
Mas acredito que em teus desejos
Muitas coisas também lhe calaram

Agora que tanto tempo já se passou
E que de muitas coisas nem lembramos
Mas tudo quanto a vida um dia nos tomou
O destino com certeza, um dia culpamos

Mas o fato é que tudo ficou pra trás
E nossas angústias conseguimos esconder
E o destino compreendeu que foi incapaz
De unir para sempre, apenas eu e você

Mas ainda resta-nos uma boa opção
Já que no coração ninguém pode mandar
Talvez o destino aí encontre uma razão
Para nossas almas não querer separar

E quem pode dizer o que é certo ou errado
Quando o assunto em questão for sentimentos
Nós temos vidas desiguais e mundos separados
Mas a nossa história nunca cairá no esquecimento

Cada Lembrança


Mas para que tanta aflição?
Tu podes disfarçar num sorriso
O que tens ocultado em teu coração
Esse fremir de desejos proibidos

Nunca tentes um olhar perdido justificar
Pois sabes que são nessas horas de enleio
Que uma saudosa lembrança te vem saudar
Com os mais irrequietos dos teus anseios

E em cada lembrança que nos chega
Despertando perdidos sentimentos
À nossa alma sem dó apedreja
Com saudades desses nossos momentos

E tudo poderia ter sido tão perfeito
Mas quis o destino cruel interferir
Mas encontramos, cada um do seu jeito
A melhor maneira de a tudo resistir

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Rumos Diferentes


Eu só queria ouvir você dizer
O que posso fazer para não mais lembrar
Os momentos que um dia tive com você
E com os quais até hoje vivo a sonhar

Eu só queria ouvir de você
Que partilhas também da minha dor
E que se pudesses tudo faria para viver
Outra vez comigo essa história de amor

Mas o tempo desfez nossos caminhos
E o destino foi mais além, se interpôs
E nos vimos tragados pelos redemoinhos
E assim perdemos de nós o nosso depois

Mas eu sei que na inquietude do teu eu
Um grito calado também se fez ouvir
Talvez seja o roçar do teu corpo sobre o meu
E das grandes sensações que conseguias sentir

Hoje por caminhos e rumos tão diferentes
Ainda cruzamos nossos pensamentos com razão
Pois é muito forte o que guarda nossas mentes
E tudo quanto segredamos no teu e no meu coração

E assim viveremos sempre em mundos desiguais
Mas com os mesmos desejos sempre latentes
Pois temos vidas diferentes mas almas iguais
O que confunde o pensamento de muita gente

Teus Deslizes


Quando o meu mundo caiu
Me vi sem forças para o levantar
Pois foi quando dele você saiu
Eu sabia que não irias mais voltar

E ao ver meu mundo destruído
Percebi que ali eu não podia mais ficar
Pois se da minha vida tu havias saído
Era certo que sozinha eu iria continuar

Mas eu estava muito enganada
E sem nada saber tratei de fugir
Tudo deixei, pois eu não queria nada
Daquela vida que eu muito me feri

E parti para terras um pouco distante
Na esperança de a tudo um dia esquecer
Sem saber que voltarias a qualquer instante
Para juntos então podermos finalmente viver

E grande e amarga foi a tua surpresa
Ao voltar e saber não mais irias me encontrar
Pois outro rumo eu havia tomado na certeza
Que nossas vidas não mais teria como continuar

E muito tempo depois eu soube dessa loucura
Que era esse teu amor tão terno, mas impulsivo
Foi quando choraste por sobre as tuas amarguras
E por sobre os sonhos que não viverias mais comigo

Eu distante, ignorava por completo a tua dor
E impelida pelos sofrimentos surgidos
Construí um mundo de sonhos, onde o teu amor
Passou a ter todos os encantos do proibido

E assim, em outras mulheres foste buscar
Alguma semelhança que de mim te lembrasses
Embora tu soubesses que nunca iria encontrar
Aquela que ao me substituir, te completasse

E para o nosso grande e triste castigo
Nunca seremos completamente felizes...
Eu vivendo a sombra de um amor proibido
E tu em pensamento cometes teus deslizes

Cálice Da Saudade


Por essa minha vida à fora
Tenho incansavelmente procurado
Tudo que não chegou até agora
Um mundo bem mais desejado

E por noites seguidas sempre busquei
Matar a saudade que me consumia
E tudo aquilo que eu mais desejei
Foi sentir o gosto puro da alegria

Mas minhas buscas foram sempre perdidas
Pois tudo o que eu tenho conseguido
É lamentar por cada uma dessas investidas
Que hoje vejo, quase têm me enlouquecido

E continuo sonhando com cada toque
Que nas lembranças muito me faz entender
E mesmo que jures que não mais se importes
Estarás mentindo pra mim e também pra você

Mas eu sei que quando eu menos esperar
Aparecerás com certeza diante de mim
E não terei como o tudo o mais expressar
Por esse momento tão esperado assim

E eu sei que sorverás do meu cálice da saudade
E te embriagarás diante desse amor que é só seu
E mesmo que já estejamos em avançada idade
Verás que esse amor por toda vida foi só seu

E nos embriagaremos na saudade desse desejo
E nesse amor que há muito deixamos esquecidos
Mergulhando na aquosidade desse seu beijo
Saciando assim todos nossos sonhos atrevidos

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Meu Mundo


Fugi da realidade com o coração ferido
E a minha alma sofrida estava sangrando
Pois foi por uma cruel cilada do destino
Que eu pude ver o meu mundo desmoronando

Então criei um mundo onde nele me refugio
E quase nunca tenho forças para dele fugir
Pois é na solidão desse mundo que eu crio
O que hoje realmente ainda me faz existir

Nesse mundo cabe todos os meus segredos
Também todos os meus sonhos e ilusões
Nele consigo esconder todos os meus medos
E venço também todas as minhas frustrações

E é nesse meu mundo tão particular
Fruto da minha irrequieta imaginação
Que nele eu ainda consigo alimentar
A minha maior fonte de inspiração

O Tempo Passou


Passei anos da minha vida correndo
Mas sempre tentando te alcançar
O tempo passou e me vi envelhecendo
Sem o meu sonho eu conseguir realizar

Até que num desses de repente, percebi
Que o meu tempo eu devia ter aproveitado
Pois eu procurei por algo que já consegui
Pois eu o tenho em mim muito bem guardado

E afinal o que realmente importa nessa vida
É essa certeza de que eu o tenho, sim
Pois todas as tuas primeiras emoções vividas
Foram com certeza bem juntinho a mim

Pouco importa o que veio depois de mim
Se nunca deixarei de ter sido a primeira
Pois se tuas alegrias e tristezas enfim
Eu vivi parte delas, mesmo que não queiras

Que continues a viver a tua vida sem medo
Já que o mais puro dela um dia eu colhi
Talvez seja por isso que eu não sinta desejos
De esquecer o que um dia contigo eu vivi

Rascunhos


Hoje eu queria escrever algo diferente
Tomar um rumo sem qualquer imposição
Para eu mostrar embora não claramente
Uma outra história saindo do meu coração

E forjando meus pensamentos ainda tentei
Criar sem nenhum receio uma história banal
Só que eu percebi que eu nunca pensei
Que teria que dar a ela um outro final

Então eu pude sentir que estava tudo errado
Não se pode sentimentos verdadeiros desprezar
Esse pensamento eu nunca podia ter começado
Pois um amor como o nosso não se pode calar

Então eu rasguei os rascunhos já começados
Pois sei que eu nunca conseguirei me trair
Continuarei a escrever meus versos disfarçados
E nas entrelinhas deixo esse meu desejo fluir

E assim será por toda a minha vida
Pois de outra forma não saberei escrever
A não ser que de uma forma bem atrevida
Se materialize diante de mim... Você

Privacidade


Há quem divida senhas de e-mail e também de orkut
Talvez para sentir uma certa segurança, mas digo porém
Que isto é simplesmente uma grande e tola atitude
Por algo que talvez queiras dar,mas que também não tens

A isto muitas vezes querem dar o nome de amor
Mas creiam, isto é apenas invasão de privacidade
Tentando assim evitar talvez uma possível dor
Temendo quem sabe uma outra indesejada realidade

A verdadeira e tão desejada cumplicidade
Tenha por certo que a dividimos com nossa alma meu bem
Pois a senha só se dá às lembranças e aos pensamentos
Pois só nele é que nós confiamos e em mais ninguém

Pois bem escondido dentro do teu coração
Onde o acesso a ninguém mais é permitido
Sonhas e brincas num jogo de perigosa sedução
Onde só em teus pensamentos nada é proibido

Aí encontrarás o verdadeiro amor da tua vida
Onde tudo será somado e nunca, nada se divide
E será nas tuas lembranças mais atrevidas
Que perceberás que só aí a cumplicidade existe

É muita tolice querer manipular sentimentos
Pois os verdadeiros só a alma os tem
Nela sim, há um verdadeiro comprometimento
E a mais perfeita privacidade também

Estranho Mundo


Um dia quando eu menos esperava
Vi o sol da felicidade se apagar para mim
Eu não sabia se realmente acreditava
Que tudo aquilo era o início do nosso fim

E foram muitas horas de intensas agonias
Eu já não tinha mais motivos para sorrir
Eu havia perdido a razão da minha alegria
E julguei que eu não conseguiria resistir

Foi então que para o meu grande alívio
Algo bem devagar foi então acontecendo
E muito embora tudo me parecesse difícil
O meu coração aos poucos foi renascendo

E assim num mundo tão estranho ao seu
Fui me envolvendo sem ao menos perceber
Que esta fora finalmente a forma que eu
Encontrei para poder continuar com você

E em meio aos grandes e pequenos momentos
Sempre tão repletos de uma ansiedade sem fim
Descobri que para diminuir meus sofrimentos
Só nas minhas lembranças eu o tinha só para mim

Levianamente


O que foi que eu fiz com a minha vida...
Deixei-a passar... Levianamente joguei-a fora
Me perdi entre tantas opiniões divididas
E hoje percebo que nada fez sentido,até agora

O inverno da minha vida se fez frio e tenebroso
Salpicando de branco os meus escuros cabelos
O outono arruinou minha tez de modo doloroso
A primavera que se avizinha me mantem fora do espelho

E eu sei que o verão já não mais se fará para mim
Este já se pôs e foi bem antes do meu entardecer
E temerosa eu sinto já se aproximar o meu fm
E este para mim será triste, pois estou longe de você

Da minha infância guardei as mais suaves lembranças
E a minha adolescêncis foi de certo modo bem natural
Mas foi agora na minha velhice que perdi as esperanças
De finalmente ter esquecido uma juventude que me foi fatal

E foi dessa maneira que eu vi a vida por mim passar
A minha jornada foi feita sempre de poucas alegrias
Pois foi fingindo que eu pude conseguir me salvar
De não sucumbir de vez nas minhas infelizes agonias

Abrindo meus olhos vejo que a vida há muito amanheceu
Mas o destino por mim o fez muito cedo entardecer
E foi a sua ausência da minha vida que logo anoiteceu
Apagando a luz da existência que pensei ao seu lado viver

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Uma Simples Homenagem




De Laís Godoy
Para: Sua Filha Fernanda Mafra

Minha querida e tão amada filha Fernanda
És sem dúvida o maior tesouro que eu tenho
A minha vida enriqueces e muito encantas
E é querendo homenageá-la, que hoje eu venho

E não é simplesmente por seres a minha menina
A maior e mais rica benção que Deus me deu
Nem por teres uma alma assim tão pura e linda
É porque eu sinto esse presente sendo só meu

Admiro-te pois sendo tão jovem és determinada
Já sabendo muito bem da vida o que quer
Penso que por mim foste muito bem criada
A vida completou te fazendo uma grande mulher

E vejo como tu és tão delicada e carinhosa
Estou sempre a me orgulhar dos feitos teus
És realmente uma filha muito maravilhosa
E eu reconheço a maior riqueza que Deus me deu

Fernanda, você não é apenas a minha filha querida
És também a minha amiga e grande companheira
Saiba que a minha admiração por ti é pra toda vida
E essa nossa cumplicidade eu a quero pra vida inteira

Perfeito Dueto


Que belo quadro estou a contemplar
Elas mais parecem ser duas irmãs
Não sei como conseguirei falar
Se do hoje ou quem sabe do amanhã

Laís uma mãe tão terna e carinhosa
Tão cheia de amor e bem mais atenção
E dá pra perceber a admiração ardorosa
Que pela filha ela sente em profusão

Eu poderia falar de uma forma qualquer
Se o tema em si fosse realmente banal
Mas estou a falar do amor dessa mulher
Que no coração transborda de forma natural

Laís e Fernanda formam um dueto perfeito
Uma mãe de extrema e zelosa dedicação
Num amor assim tão grande não há defeitos
Pois é um amor da mais fiel e digna união

Fernanda sempre tão atenta e dedicada
Enche a mãe de orgulho em sua profissão
Pois foi na fotografia que se viu fascinada
E sua competência desperta em todos admiração

E é nessa união tão grandiosa em seu amor
Que se completam com tamanha perfeição
Um amor que desconhece a palavra dor
Pois só a alegria prevalece em cada coração

Olho Mas não Vejo


Quantas noites mal dormidas
Que passaram, foram embora
E de tudo quanto vivemos nessa vida
Ainda tenho algo que me consola

E hoje tudo olho e nada vejo
E como uma sem vida
Olhando para trás eu revejo
As tuas ações sempre tão atrevidas

E ao sentir uma saudade quase louca
Busco vida em tudo o que fomos
E o meu corpo reclama o gosto da tua boca
Pois sente o quanto tudo é diferente do que fomos

E os dias que passo em grande tristeza
Ansiando te ver mesmo sabendo não conseguir
Mas conservo intacta a grandeza
Do que nunca deixará de existir

E continuo querendo te tocar e nessa vontade
Todas as minhas esperanças parecem se esvair
Mas eu digo que não importando a nossa idade
Procurarei sempre nessa nossa história insistir

E quando o tempo nossos cabelos branquear
Lembrarás que há muito nós dois
Deixamos sem nenhuma razão o tempo passar
Pois o nosso erro foi deixarmos tudo para depois

Não Suporto Mais


Eu queria apenas uma chance
De frente a frente com você ficar
E rasgar a minha alma enlouquecida
Onde finalmente eu poderia lhe falar
Da falta que você me fez
Da falta que você ainda me faz
E talvez assim você pudesse entender
Essa dor que eu já não suporto mais

E num desabafo desvairado
Tendo você ali, ao meu lado
Juro que eu seria capaz
De com os olhos pedir a você um beijo
E talvez aí por fim me compreenderias
E verias todo o sofrimento dessa agonia
Por não mais poder te amar
E como um lampejo
Eu mostraria o quanto enlouqueço
Por nada fazer e só calar

E não sei como se faria nesse momento
A minha reação diante de você
Mas juro que eu vivo sonhando
Com o tudo que pudesse acontecer
Seriam anos expostos naquele momento
Eu a olhar para você apenas o desejando
Você talvez por tudo me questionando
Sem quase nada entender
Mas isso pra mim seria indiferente
Pois o meu desejo era somente
Sentir seu amor e apenas amar você
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios