sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Ah! Quem Dera


Eu hoje quando te vi confesso
Que te achei bem mais atraente
Ao meu pensamento já nada impeço
Pois pouco tinhas de diferente

Aquele belo e cativante sorriso
Tão cheio de alegria e bondade
Que as vezes me parece um misto
De inocência e também fragilidade

Ah! quem dera que o tempo parasse
Ou nos transportasse para o passado
Contanto que tu me completasses
E eu pudesse ter-te sempre ao meu lado

Pois olhar em teus olhos me dá segurança
Sentir teu toque me deixa mais protegida
Pois representas bem mais que uma esperança
Representas o fim de uma vida muito sofrida

E como uma adolescente em louco frenesi
Tentando buscar nos sonhos que perpassam
Instantes de emoção, mas somente em ti
Nesses momentos em que os sonhos me abraçam

E sorrio diante do quase tudo que me resta
E nessas lembranças que conservo ternamente
E ao poder observar a vida por uma fresta
Consegui descobrir a felicidade finalmente

Sentimentos Divididos


Muitas vezes fico triste
Por um amor que vivo pedindo
E mesmo que eu negue
Sempre estou insistindo
Sonhando com momentos apaixonados
E mesmo que sejam angustiados
Mas serão doces ou alucinados
Mas é tudo isso que estou sentindo

E mesmo que eu ainda queira esconder
O que tantas vezes tento calar
Pois são sentimentos contraditórios
Dos quais muito pouco ouso falar
E sempre desejando bem mais
Do que as vezes tens sido capaz
E por esses sentimentos tão desiguais
Só me resta agora é chorar

Eu sei que nunca irás descobrir
O que tanto penso mas não falo
Pois são sentimentos só meus
E que tão bem os tenho guardado
Estes são os meus desejos reprimidos
Meus anseios quase sempre esquecidos
São na verdade sentimentos divididos
Que mais uma vez simplesmente os calo

Presente De Deus


Ao Meu Amigo Sérgio

Eis que o grande guerreiro ainda vive
Também com sonhos e muita emoção
E seus traços firmes ainda resiste
As constantes investidas do coração

Ei-lo afinal forte e mais altivo
Lembrou-me o grande homem de outrora
Ainda conserva a doçura do sorriso
E é esse homem que tenho aqui, agora

Que paz imensa o meu coração invade
Saber que ainda lembras de mim
E dessa nossa tão grande amizade
Que bem sabemos jamais terá fim

Gosto demais desse majestoso gigante
Homem repleto de grandes qualidades
E esse respeito sempre tão cativante
Fortalece ainda mais a nossa amizade

Ainda bem que na minha vida você existe
És para mim um presente grandioso de Deus
Essa nossa amizade tão bem ao tempo resiste
As vezes penso que esse presente é só meu

Bendito seja cada minuto da tua vida
Que só faz crescer o meu simples existir
Sem tua amizade eu me sentiria perdida
Sem esse teu carinho ficaria difícil sorrir

Obrigada amigo por tua presença
Cada vez mais forte dentro de mim
E a vida agora peço licença
Para abraçar-te bem firme assim

Esperançosa


Hoje pude me sentir muito feliz
Até parece criancice da minha parte
Mas esse foi um momento que muito quiz
Agora estou transbordando de felicidades

Isso tudo sempre me pareceu um sonho
E os sonhos as vezes também são assim
Pois nen sempre significa algo tristonho
Há momentos que revelam alegrias sem fim

E no meu jeito as vezes um pouco infantil
Me vejo vivendo um lindo conto de fadas
Como hoje, quando com o coração a mil
Pude então ver que realmente me esperavas

E como uma tôla as vezes sem sentido
Abro os braços como tantas vezes já o fiz
Apenas para te-lo por instantes, perdido
Esperando rete-lo para sentir-me mais feliz

E como uma bela magia me vejo flutuando
E percebo minha felicidade se desfazendo
Pois descubro que estive apenas sonhando
Para poder continuar como sempre te querendo

E deixando meu pensamento por fim fluir
Busco esperançosa por uma nova razão
Onde poderei novamente te seduzir
Nos sonhos que trago no meu coração

Só Por Ti


Tenho certeza que se eu pudesse
Tomaria para mim teu coração
E se tu também quizesse
Eu te daria toda a minha emoção

Minha alma se faria mais bela
Como no mundo nunca se existiu
Eu poderia continuar sendo a fera
Mas teu coração isso já não permitiu

E desejosa de estar em teus braços
Sempre querendo bem mais sentir
Cada minuto de carinhos e afagos
Num doce estertor me faria sucumbir

E a tua mão a minha sempre buscando
Tua boca, a minha vive a desejar
Nossos corpos ansiosos se tocando
E para meu martírio, resolvi acordar

E quando despertei pude perceber
Essa ânsia incontida que me vem
Só pode ser por tanto te querer
Tudo isso só por ti, e mais ninguém

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Poema De Amor


À Sra: Odete

Ao ficar sabendo da sua história
Percebi que fazer mais um aniversário
É realmente mais uma grande vitória
E hoje lhe faço alguns comentários
_______________________________________

Não é todo dia que se aniversaria...
Mas são todos os dias que se comemora
Os grandes momentos de muitas alegrias
Que por certo irás relembrar agora

Nessas décadas por ti tão bem vividas
Surgiram momentos até de muita emoção
E houve percas que foram muito sofridas
Mas cada um ainda tens gravado no coração

Os filhos que Deus deu Ele mesmo os tirou
Mas Ele conservou um para o teu conforto
Levou teu amado esposo, mas também te deixou
Os teus netos,para amenizar teus desgostos

E nessa tua vida de exaustivas lutas
Grandes sonhos tiveste concretizado
Bem sei que foram grandes as labutas
Mas Deus com amor sempre te tem amparado

Que neste dia que comemoras teu aniversário
Receba todo o amor dos teus entes amados
E que hoje, essa data que marca o calendário
Seja apenas mais uma das tantas que terão marcado

Aceite Sra: Odete, da Carol sua neta do coração
E que neste dia, ela te olhará com mais fulgor
Deixando explodir do seu peito toda a emoção
Que hoje ela transmitirá nesse poema de amor

Fantasia Do Meu Carnaval


A cidade parece ferver na agitação
É que o carnaval por fim chegou
E nesse mundo de grande emoção
muito pouco parace que se encantou

Onde será que encontrarei os meus sonhos?
E onde será que se escondeu minha fantasia?
Se a cada minuto que passa meu riso tristonho
Vai pouco a pouco substituindo minha alegria

No carnaval poderei finalmente sem medo usar
A máscara desse meu inesgotável fingimento
Ela contudo, jamais poderei pensar em tirar
Pois assim todos saberiam do meu sofrimento

É que no carnaval da minha frágil existência
Não me espera nenhum pierrot ou mesmo Arlequim
Eu falo pois sei que nessa minha experiência
Não existe ninguém que esteja a esperar por mim

Mas se eu conseguisse ao menos no carnaval
Tirar essa máscara que tanto me incomoda
Talvez eu vivesse, mesmo que fosse um tema banal
Mesmo que já fosse um tanto quanto fora de moda

E eu teria também tres dias de quem sabe alegrias
Contaminada pelos muitos risos que espocavam
Eu poderia facilmente adormecer a minha fantasia
Quando por certo milhares ainda acordavam

E na quarta-feira de cinzas alguém ainda vibrava
Mas eu novamente tristonha, por certo estaria
Colocando outra vez a máscara que eu guardava
Junto com os meus sonhos e as minhas fantasias

Sem Tua Presença


Eu hoje amanheci triste e chorando
Sem conseguir entender bem a razão
Pois eu já estava até me acostumando
Com essa tua ausência no meu coração

Mas hoje, algo muito forte aconteceu
Recebi em sonho a tua visita tão querida
E foi aí que senti que meu mundo já morreu
Pois sem ti me sinto vazia, meio perdida

E essas lágrimas que molhavam o meu rosto
Lavava a minha alma pela vida já tão machucada
No meu semblante apenas se mostrava o desgosto
Que inundava a minha alma tão sofrida e calada

E como quase todo sonho quando é muito triste
Parece receber forças para aumentar os sofrimentos
E fui percebendo que sem tua presença pouco existe
Que possa diminuir um pouco que seja meu tormento

E envolta nos braços saudosos desse recente passado
Tentei buscar um pouco de alívio para meu coração
Mas eu pude enfim descobrir que um sofrimento calado
Acrescenta bem mais ardor a minha frágilizada emoção

E decidi permanecer quieta e também resignada
Tentando apenas ouvir o que a minha mente dizia
Pois é bem melhor sofrer só e um pouco calada
Aguardando apenas a chegada do tão esperado dia

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Temor


Por que será que tenho a impressão
Que vives sempre a fugir de mim?
Será que temes em ver a expressão
Do meu olhar que martiriza assim?

São tantas as vezes em que me sinto
Tocando o céu de forma tão suave
E juro por Deus que eu não minto
Quando digo temer que meu sonho acabe

Por certo nem sequer imaginas o quanto
Este anseio vive inquieto a me sufocar
E percebo muito claramente no entanto
Que tens medo se por algo eu perguntar

E vivendo nesse incessante desejo
Sempre querendo do tempo algo mais
Talves não fosse tão forte esse enlevo
Se em minha alma houvesse um pouco de paz

E nessa incerteza as vezes tão incerta
Tentando da vida ganhar algum prazer
Mantenho o coração sempre em alerta
Na esperança de nunca chegar a te perder

E quem sabe talvez um pouco por ironia
O destino está sempre a me apunhalar
É que ele não entende que a minha alegria
É poder um dia finalmente te encontrar

As Vezes


Sei que as vezes vejo o tempo passando
Na inútil esperança de ve-lo voltar
E se me pego muitas vezes sonhando
É tentando do tédio também me livrar

E dividida entre tantos desejos
Buscando incansável, vastas alegrias
E é quando eu novamente percebo
Que se o tempo voltasse tudo mudaria

Haveria mais razões para viver finalmente
Sempre na tentativa de não mais errar
E então eu teria a forma que possivelmente
Não me faria viver vendo apenas o tempo passar

E eu não mais cometerias erros absurdo
Que me tirou a chance de melhor viver
E se meus sentimentos se fizeram mudos
Foi por medo de não fazer-me entender

E entre desejos e buscas, as vezes sem razão
sinto estremecer um desejo muito mais forte
E qualquer que venha a ser minha emoção
É preciso que o destino mude minha sorte

E terei bem mais motivos para querer fugir
Fugir das loucuras que minha alma enleia
E se para mim o destino realmente sorrir
Com certeza será através de ti... creia

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Tudo Acabado



À Amiga Márcia

Quanto tempo da minha vida
Vivi envolvida pelos sonhos meus
Não julguei ver um dia perdida
Minha esperança de saber-te só meu

Agora nesse meu angustiado momento
Olhando para trás pude então perceber
Que meu projeto de engrandecimento
Não tinha o mesmo significado para você

Me entreguei por inteiro sem pedir nada em troca
Tanto mais eu queria ser para poder te entregar
Mas para meu desgosto, que hoje já não importa
Vi tudo perdido, nada mais tinhas para me encantar

E já não mais ouço nossos risos espocados
Que tanto pensei ser algo de nós dois
Agora percebo entre nós tudo acabado
Não busquei isso, nem para antes, nem depois

Sofro muito mas o que realmente me consola
É que sempre fui em meus sentimentos, verdadeira
E lhe digo se não há mais amor, não aceito esmolas
Realmente não há mais nada em você que eu queira

Foram tantas as vezes em que eu me vi lhe buscando
Ansiando cada minuto para com com você viver
Mas você de mim foi cada vez mais se distanciando
E mesmo se resposta eu vivia a telefonar para você

Mas hoje que sinto já estar para nós tudo acabado
Querer justificar as suas atitudes não será preciso
Que importa se tenho o coração cruelmente magoado
Como sinto ser esse o fim, hoje de você eu desisto

E nunca queiras sequer por um momento pensar
O porquê de tudo entre nós terminar assim
Bem sei que para mim será muito difícil suportar
O que representa para nossas vidas esse fim

Terei comigo grandes e boas recordações
A povoar de sonhos minhas íntimas fantasias
Mas por hora deixemos livres nossos corações
Para que eu ainda conserve minha alegria

Alegria essa que muitas vezes nos deixou
Por tantos momentos por nós tão bem sentidos
Apesar de que em nossas vidas apenas restou
As muitas lembranças por cada momento vivido

E se algum dia a saudade traiçoeira te assaltar
Tenha para com ela um gesto derradeiro de meiguice
Pois querer nossas lembranças da sua vida apagar
Será com certeza mais um gesto de grande tolice

Que repouse nas muitas lembranças que ficou
Os muitos momentos por nós compartilhado
Que nunca haja arrependimento nem mesmo dor
Por este sonho do qual fomos um dia despertados

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Espero Esperando


Tenho sentido uma tristeza tão grande
Que muitas vezes penso que não vou aguentar
Ela vem de mansinho e todo meu ser abrange
É muita tristeza para que eu possa suportar

E quando a tarde vai lentamente se despedindo
Abro os braços para então a noite assim receber
É quando minha tristeza vai aos poucos sumindo
Pensando que já está chegando a hora de te ver

E espero, esperando te ver aqui chegar
E minhas esperanças vão aos pouco terminando
E apenas o tempo eu sinto que está a passar
Até parece que o mesmo está comigo brincando

Ressurge então a infeliz e miserável tristeza
Me pondo inconsolável e de tudo a duvidar
Até parece que para mim ela só deseja
Que eu nunca tenha motivos para me alegrar

E incapaz de poder com clareza raciocinar
Tento buscar razões para um pouco sorrir
E vou pensando em mais uma vez encontrar
Muito mais motivos para poder à dor resistir

E sempre pensando em tristezas e saudades
Vou aos poucos tentando me acostumar
Quem sabe eu consiga um pouco de felicidade
Antes mesmo que o sol possa outra vez raiar

Que Dor Será Essa?


Nesse exato momento
As lágrimas descem suaves pelo meu rosto
E uma dor quase física
Parece rasgar meu coração...
Que dor será essa?
Que sensação de perca e abandono
Que parece me consumir aos poucos
Sinto as faces queimando
Pelas amargas lágrimas
Que insistem em rolar

É tudo tão triste... tão doloroso...
O que terá sido feito
Dos meus momentos de alegria?
Só restou minha noite insone e cansativa

E tudo parece contribuir para aumentar
Esse meu sofrido e amargo tormento.
Qual terá sido a pedra que feriu
Minha alma
Que a faz sangrar sem piedade?
Uma palavra torpe, ou terá sido
Um gesto sem sentimentos,
Ou um sentimento sem razão?

Seja lá o que foi, feriu fundo meu coração
Rasgou minha alma, dilacerou a quietude
Dos meus momentos que julguei tranquilos
Seja lá o que foi, queimou feio minha alma
Bagunçou meus sonhos,
Destruiu minha momentânea felicidade
Roubou um pouco da minha jovialidade
Soterrando minha alegria que julguei
Inalterada.

E agora o que faço? me escondo no tempo?
Mergulho a mente nesse silencio vago
Que martela como um desesperado
Fingindo tudo desconhecer?
Que faço para sobreviver
A mais esta amargura que machuca
Que fere, que sangra parecendo
De nada se aperceber?

Que faço? que posso fazer?
Fechar os olhos para tudo
Da dor esquecer e não deixar a amargura prevalecer
Deixa o tempo passar, deixar essa dor morrer...

Cansaço

Hoje
À ANA MACÁRIO
Hoje o cansaço por fim me venceu
Nunca pensei acabar tudo assim
Nemhum sentido encontro nessa vida
Já que tudo parece ter chegado ao fim
E o mais doloroso que eu senti
foi saber que tudo que contigo vivi
Foi apenas porque eu quiz
Não era o que querias de mim

Agora que estou me sentindo perdida
Sem entender muito bem de tudo a razão
Confesso que tudo que eu mais queria
Era arrancar essa indiferença do coração
Que lateja assim tão sem sentido
Deixando até meu mundo inibido
E percebo que já em mais nada acredito
Perdi mais uma vez toda a minha emoção

E sentindo da vida um forte vazio
E com a alma infeliz a soluçar
Percebo todo o tempo perdido
Quando dizias tão bem me amar
E agora me sinto cansada de tudo
E explodindo num grito mudo
Levanto a cabeça e respiro fundo
Sem medo de outra vez lutar

Toque Banal


Uma vez mais a saudade
Bateu forte aqui em meu peito
E o som cotidiano da cidade
Lembra outros momentos, não tem jeito

Relembro cada noite, tão sossegada
Onde ficávamos a jogar conversa fora
E era sempre nas mesmas paradas
É como se tudo eu fosse viver agora

E hoje, observando enquanto a chuva cai
Penso em cada chuva que por nós passou
São lembranças fortes que de mim não sai
Foi um tempo que no tempo pra mim parou

Foram algumas, sofridas tempestades
Onde o ombro amigo muito contou
E fomos vovendo as vezes em ansiedades
Mas tudo que passamos muito nos aproximou

E agora enquanto ouço a chuva cantar
Penso em ti já tão distante de mim
Mas quem sabe também não estás a pensar
o que nesse momento estou pensando enfim

E nesse vazio tão profundo e perturbador
Abraço minha alma tentando num afago simples
Suavizar essa estúpida carência de um amor
Num toque mesmo banal, sem nenhum requinte

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Admiração Por Você



À Prof. Graça

Na longa trajetória da minha vida
Sozinha muitos caminhos percorri
E ao olhar para trás senti alegria
Quando na lembrança uma figura eu vi

Uma mulher que muito tranquila sorria
E que sempre com sabedoria me acenava
E eram nesses momentos que eu mais via
Firmeza naquele semblante que me ensinava

E a minha jornada firme eu prossegui
E em muitas esquinas da vida fui deixando
Pessoas com as quais eu muito bem convivi
Porém hoje em especial de uma estou lembrando

E nunca esqueci seu sorriso cativante e sincero
Nem tão pouco de sua paciência e sabedoria
Com ela pude ter um aprendizado completo
Pois ensinou-me a viver com todos em sintonia

E foi com essa mulher, a professora Graça
Que muito da vida eu pude também entender
E bem sei que não há nada que um dia desfaça
Essa admiração que por ela só tende a crescer

E nesse mundo de grandes e pequenos sonhos
Nem preciso rebuscar motivos para escrever
Pois nesses versos que hoje eu componho
São versos de admiração Graça, para você

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Inconstantes Sentimentos


Como posso preencher o vazio
Que um dia deixasse em mim
Se na calada da noite o frio
Me perturba sem ter fim

Muitas têm sido as noites
Que procuro em vão fugir
Da solidão com seus açoites
Fazendo meu peito de dor explodir

E nesses inconstantes sentimentos
Me deixo levar sem resistência
Fugindo de alguns acontecimentos
Sempre negado pelas aparências

E guardando calada a minha dor
Me deixo seduzir pela saudade
Bem sei já não há resquícios de amor
Mas por um, ainda aguardo com brevidade

E sinto o coração levemente estremecer
E uma brisa que suavemente me envolve
E recostando a cabeça sinto adormecer
A solidão fria que o meu ser já não absorve

E abraço com ternura o meu travesseiro
Embalada na esperança que não tarda a surgir
E de repente num gesto como se fosse o primeiro
Mergulho no silêncio do nada sem temer o porvir

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Grande Guerreiro


Um grande guerreiro certo dia
Deixou cair a sua vitalidade
Perdeu um pouco da alegria
E também de sua vivacidade

O homem forte e vigoroso
Que um certo dia eu conheci
já não se mostra tão corajoso
E já não vive mais a sorrir

Hoje me parece mais cansado
E um pouco menos destemido
Já não o sinto tão arrojado
Até me parece meio perdido

Que foi feito dos teus sonhos
Da tua destreza e agilidade?
Teus dias te parecem enfadonhos
E bem sei que não é pela tua idade

Onde está aquela tua alegria
Onde se escondeu teu baluarte?
Que fizeste com os teus dias
E com o primor da tua jovialidade?

Será que cansaste um pouco da vida
Dos prazeres e de tudo o mais?
Hoje pareces ter a alma perdida
E um coração em busca de paz

Mas talvez buscando um pouco
Do muito que tenhas perdido
Só não te sintas como louco
Se para com a vida fores atrevido

Não importando o que possam dizer
Basta que te sintas um pouco contente
E que jamais possas deixar de fazer
O que tua alegria deixa permanente

Procura um consolo na tua vida
E coragem para contra tudo lutar
E nunca lamentes pelas horas perdidas
Ainda há tempo para muito conquistar

Que voltes a ser aquele guerreiro
Que um dia no mundo com glória surgiu
Nunca te sintas como se fosses derradeiro
Pois serás sempre o primeiro que existiu

Homem forte corajoso e sempre audaz
Volta a ser como eras bem antes
Pois com certeza ainda és muito capaz
E teu grito será bem mais retumbante

Respingarás toda a grandiosidade
Que nessa tua alma ainda habita
Pois nela abunda a generosidade
E o amor para quem em ti acredita

Nunca faças pouco caso da vida
Pois ela será sempre o teu suporte
Não coibas essa idade tão atrevida
E lembra-te que que ainda és um forte

Procuras que eu sei encontrarás
Para novas conquistas uma boa razão
E só assim ainda conseguirás
Encher de alegrias o teu coração

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Versos De Morte


O perfume que outrora exalava
Tinha um odor até muito forte
E era ele quem inspirava
Meus versos que falam de morte

E eu ainda muito bem posso ouvir
Um lamento que era muito triste
Esse mesmo lamento me fez sentir
Que esperanças pra mim já não existe

E não muito longe também escutei
Um som que era simplesmente aterrador
Foi aí que eu própria implorei
Não me abandones nunca meu Senhor!...

Eu preciso ouvir novamente
todos os sussurros da natureza
E quero sentir inteiramente
O Teu amor e a Tua grandeza

Que eu possa distinguir outra vez
Da brisa o roçar suave e delicado
E que nunca mais um talvez
No meu peito eu sinta marcado

Que eu perceba as grandes nuances
Que ainda existe entre nós e até mais
Do que um simples ou grande romance
Da filha perdida que não ficou para trás

Saudosas Quimeras


Pelas esquinas da minha vida
Fui deixando minhas quimeras
Que hoje soçobram nas mágoas
E para isso impedir eu nada fizera
Mas encontrar minha alegria
Viver outra vez minhas fantasias
Que perdi um certo dia
Quem dera meu Deus, quem dera

E para cada ontem perdido
Busco no hoje as respostas
As quimeras do meu amanhã
Mas para mim já pouco importa
Se eu nunca pude perceber
O que estava por me acpntecer
E que os meus sonhos se fazia perder
Por um alguém que de mim já nem gosta

E em cada rua que eu atravessava
Nas esquinas minha vida jazia
E nunca recuperei o tempo perdido
Pois cada sinal de alegria
Que um dia eu conheci
E os momentos que eu não vivi
Tudo que deles eu consegui
Foi aumentar o que em mim já morria

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Meu coração


Tenho sentido o meu coração
Muito cansado quase a parar
É a saudade, esse meu tormento
Que o faz assim fraquejar
Isso tem me deixado muito triste
Pois em preocupar-me ele insiste
Quando de bater ele quase desiste
Ficando a gemer e a se lamentar

Eis que o alerta um dia me foi dado
Mas não me preocupei em dele cuidar
E sempre a cada dia que passava
Ficou cada vez mais fácil observar
Que foi se tornando difícil demais
Faze-lo trabalhar com estes sinais
Que pouco a pouco foi tirando minha paz
Já que pouco eu fiz para isso evitar

E assim nesse dilema tão preocupante
Até penso sentir meu coração a chorar
Sofro com ele, meu grande companheiro
Que tanto conseguiu me ensinar
Mas hoje o coitado agoniza
Batendo cansado, quase sinaliza
Com um enfarto, onde simboliza
O momento culminante de parar

Ao Tempo Peço Tempo


Estou guardando um sorriso
Onde só há paz e alegria
Nele ainda tenho contido
Partes das minhas fantasias

São sonhos no tempo ainda perdidos
Desejos ainda não concretizados
Mas tudo aquilo que não foi vivido
Ao tempo peço tempo para te-los realizado

Nesse sorriso também vejo refletido
Cada época da minha longa vida
Onde cada momento por mim foi sentido
Em cada etapa por mim tão bem vivida

E nesse sonho de perfeição ou encantos
Tão bem guardados no tempo por mim
Ainda permanece ativo em cada recanto
que nessa vida eu sei jamais terá fim

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

E Foi Assim


Muitas voltas a vida dá, bem sabemos
E numa das muitas voltas que ela já deu
Algumas pessoas nós também conhecemos
E foi assim que a todos,o Fabinho conheceu

Ele me parece ser um moço bastante sincero
Eu diria até ser ele um jovem de Deus
Com um exterior cobiçado e um interior belo
Realmente esse moço parece ser dos meus

E sendo o mesmo um prudente jovem cristão
Desses moços firmes na presença do Senhor
Que ele tenha para ela lugar em seu coração
E que juntos tenham uma vida de sincero amor

Que o destino para eles possa sempre reservar
Momentos de singela ternura e muito respeito
que nunca se distanciem do lindo verbo amar
E que conservem puro o amor de Deus no peito

E que o amanhã possa também lhes presentear
Com um vida de bastante sonhos realizados
E que cada um tenha a alegria na alma e no olhar
Por um dia terem tido seus caminhos cruzados
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios